Queda de cabelo? A resposta pode estar no intestino!



O intestino humano é considerado um órgão complexo por suas funções, como a digestão, absorção de nutrientes e síntese de determinadas vitaminas, as quais são realizadas de forma eficaz graças à presença das inúmeros microorganismos, principalmente bactérias, que existem no seu interior. O conjunto de microrganismos que povoam o trato gastrointestinal é conhecido como microbiota intestinal.

A microbiota intestinal, é composta por grande diversidade de bactérias que desempenham diferentes funções no hospedeiro humano, entre elas a absorção de nutrientes, proteção contra patógenos e modulação do sistema imune. O conteúdo bacteriano intestinal ainda não é totalmente conhecido, mas sabe-se que é influenciado por fatores internos e principalmente externos que modulam sua composição e função.

A microbiota tem demonstrado interagir com o hospedeiro de forma simbiótica, exercendo três funções principais: metabólica, trófica e protetora. A função metabólica é caracterizada principalmente pelo processo de fermentação dos substratos não digeríveis dos alimentos, sendo o processo de fermentação dos carboidratos a maior fonte de energia, com consequente produção de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC). Já a função trófica é representada pela atividade dos AGCC na mucosa intestinal, os quais estimulam o desenvolvimento e diferenciação das células epiteliais, bem como auxiliam na prevenção de patologias do cólon. Por último, a atividade protetora é exercida pela microbiota comensal, que compete com germes patogênicos pelos locais de adesão e impede a sua penetração nas células epiteliais da mucosa intestinal


O equilíbrio homeostático da microbiota intestinal é extremamente benéfico para o hospedeiro, no entanto, se houver alteração na composição microbiana que cause um desequilíbrio drástico entre as bactérias, o intestino se torna vulnerável ao insulto patogênico. Esse desequilíbrio é denominado disbiose, definido como um distúrbio na homeostase da microbiota intestinal devido a um desequilíbrio na própria composição, alterações nas atividades metabólicas bacterianas ou na distribuição local. A disbiose pode, além disso, ser dividida em três tipos, devido a sua causa: 1. Perda de bactérias benéficas, 2. Crescimento excessivo de bactérias potencialmente patogênicas e 3. Perda da diversidade bacteriana geral.


Esse desequilíbrio no microbioma natural pode causar a perda dos efeitos imunológicos normais, que regulam a mucosa local, ocasionando um número significativo de patologias inflamatórias. Um dos mecanismos essenciais para a regulação adequada do sistema imune e estímulo da tolerância imunológica é conseguir uma homeostase adequada no decorrer da colonização do trato gastrintestinal


A desregulação da microbiota leva a aniquilação de vitaminas, fazendo com que as enzimas deixem de realizar suas funções por serem inativadas, com conseguinte produção de toxinas, e por fim destruição da mucosa intestinal, causando redução da absorção dos micronutrientes. Essa redução na absorção de nutrientes pode ocasionar a queda de cabelo pela absorção ineficiente de micronutrientes que estão relacionados com a saúde capilar como, por exemplo, ferro, zinco, selênio, vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina K, tiamina, riboflavina e biotina.


Assim, a manutenção da microbiota faz-se necessária. Uma alimentação não saudável, prejudica a absorção de nutrientes, permitindo a entrada de compostos nocivos em grande quantidade para o intestino grosso, favorecendo a deficiência de vitaminas e minerais essenciais Já a alimentação saudável favorece o crescimento das bactérias benéficas, mantendo a qualidade da microbiota e a integridade da mucosa intestinal e adequada absorção dos nutrientes que são importantes para a saúde humana geral e evitam a queda de cabelo.


Referências:


O’CONNOR, Kelly; GOLDBERG, Lynne J. Nutrition and Hair. Clinics in Dermatology, 2021.


CONSTANTINOU, Andria et al. The Potential Relevance of the Microbiome to Hair Physiology and Regeneration: The Emerging Role of Metagenomics. Biomedicines, v. 9, n. 3, p. 236, 2021.


NEUHANNIG, Camila et al. Disbiose Intestinal: Correlação com doenças crônicas da atualidade e intervenção nutricional. Research, Society and Development, v. 8, n. 6, p. e25861054-e25861054, 2019.


VIEIRA, Giulia Causin; DOS SANTOS CASTRO, Fabíola Fernandes. Aspectos fisiopatológicos da disbiose intestinal em estudantes de uma instituição de ensino privada do Distrito Federal. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 1, p. e5249-e5249, 2021.


GUO, Emily L.; KATTA, Rajani. Diet and hair loss: effects of nutrient deficiency and supplement use. Dermatology practical & conceptual, v. 7, n. 1, p. 1, 2017.


GOLUCH-KONIUSZY, Zuzanna Sabina. Nutrition of women with hair loss problem during the period of menopause. Przeglad menopauzalny= Menopause review, v. 15, n. 1, p. 56, 2016.

31 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo