Porque tirar o glúten da dieta em doenças auto-imunes?


O nome de glúten é aplicado a um conjunto coletivo de proteínas para o armazenamento que são encontradas em grãos de trigo, cevada e centeio. Normalmente, as proteínas do glúten são ricas em resíduos de glutamina e prolina. Seu alto teor de prolina os torna resistentes à digestão gastrointestinal. No trigo, as proteínas do glúten são divididas em gliadinas e gluteninas, enquanto as proteínas do glúten da cevada e do centeio são denominadas hordeínas e secalinas, respectivamente.


A doença celíaca (DC) é uma desordem sistêmica imunomediada evocada pela ingestão de glúten em indivíduos geneticamente predispostos e é caracterizada por uma combinação variável de manifestações intestinais e extraintestinais. Atualmente, é bem conhecido o conceito de que a DC pode estar associada a uma série de doenças autoimunes. Estudos recentes indicam que pacientes portadores de DA têm prevalência três vezes maior de desenvolver DC do que a população geral.


Em pacientes celíacos, o diagnóstico precoce e o histórico familiar de autoimunidade são fatores de risco para o desenvolvimento de outras DA, enquanto a dieta sem glúten tem efeito protetor. Em contraste, em relação aos casos de DC, a prevalência de DA aumenta com a idade, uma prevalência significativamente aumentada de DC foi documentada em indivíduos com outras DA.


Foi sugerido que essas associações entre DC e outras DA podem ser explicadas pelo compartilhamento de uma base patogênica comum envolvendo suscetibilidade genética, gatilhos ambientais semelhantes e a perda da barreira intestinal secundária à disfunção das junções intercelulares com aumento da permeabilidade intestinal, e possivelmente por outros mecanismos não descobertos.


Em resumo, o glúten tem um efeito duplo sobre a mucosa do intestino delgado. Por outro lado, pequenos peptídeos tóxicos como o 19-mer, induzem uma resposta imunológica inata inespecífica, caracterizada pela presença de IL-15 produzida pelos enterócitos. Essa interleucina promove a liberação do fator de transcrição NF-κB pelas células adjacentes que aumentam a produção de IL-15 e a indução da óxido nítrico sintase (iNOS), promovendo estresse oxidativo e ajudando a manter a resposta inata. Diferentes moléculas como MICA e / ou HLA-E estão aumentadas nos enterócitos e induzem sua apoptose. Finalmente, a IL-15 abre as junções estreitas entre as células epiteliais.


A resposta adaptativa é realizada pelo aumento da permeabilidade que permite que peptídeos imunológicos como o 33-mer cheguem à lâmina própria onde são desamidados por TG2. A IL-15 é ativada em células dendríticas para apresentar os peptídeos de glúten desamidados pelas moléculas HLA-DQ2 / 8 aos linfócitos T CD8 +. Esses fatos iniciam uma resposta Th1, liberando IFNγ e outras metaloproteases. Esse perfil de citocinas é o responsável pela lesão epitelial, caracterizada pela presença de IELs, hiperplasia de criptas, atrofia vilosa e infiltrado inflamatório crônico na lâmina própria.


Sabe-se que a prevalência de doenças autoimunes aumenta com a idade no momento do diagnóstico de DC, sugerindo que um atraso na identificação da DC pode contribuir para o desenvolvimento de doenças autoimunes.


Embora uma dieta sem glúten não tenha mostrado eficácia em modificar a história natural das doenças autoimunes, a detecção de DC nesses pacientes é útil para garantir a melhora dos sintomas associados, reduzir o risco de osteoporose, restaurar a absorção intestinal de imunossupressores medicamentos e prevenir complicações relacionadas com a DC. No entanto, as diretrizes clínicas atuais não recomendam a triagem de DC em pacientes com manifestações reumatológicas.


Referências:


ELHAMI, Elham et al. Prevalence of celiac disease in Iranian patients with rheumatologic disorders. Gastroenterology and hepatology from bed to bench, v. 11, n. 3, p. 239, 2018.


CAIO, Giacomo et al. Prevalence of celiac disease serological markers in a cohort of Italian rheumatological patients. Gastroenterology and hepatology from bed to bench, v. 11, n. 3, p. 244, 2018.


GUTIERREZ-ACHURY, Javier et al. Functional implications of disease-specific variants in loci jointly associated with coeliac disease and rheumatoid arthritis. Human molecular genetics, v. 25, n. 1, p. 180-190, 2016.


MOGHTADERI, Mozhgan et al. Screening of patients with juvenile idiopathic arthritis and those with rheumatoid arthritis for celiac disease in southwestern Iran. Turk J Gastroenterol, v. 27, n. 6, p. 521-4, 2016.

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo