Novembro azul: como a microbiota influencia na saúde da próstata?


Os microrganismos estão presentes em todas as superfícies do corpo humano e desempenham uma variedade de papéis importantes na saúde e na doença.


A composição da microbiota intestinal pode influenciar o metabolismo de certos compostos que podem estar associados ao aumento do risco de desenvolvimento de doenças relacionadas à próstata como, por exemplo, o câncer. A ingestão excessiva de laticínios, carne vermelha e gordura tem sido associada ao aumento do risco ou progressão do câncer de próstata. Isso pode estar relacionado ao papel do microbioma na digestão fitoquímica, digestão de produtos lácteos e na geração de moléculas inflamatórias, que podem influenciar o desenvolvimento neoplásico.


A microbiota intestinal também é fortemente influenciada pelos hábitos alimentares e forma corporal, e está envolvida na inflamação do hospedeiro e nas respostas imunológicas. Está bem estabelecido que a microbiota GI influencia tanto o sistema imunológico local quanto sistêmico. A translocação microbiana para o GI aumenta a função das células T CD8 + via sinalização de TLR4. Esta translocação microbiana opera sob a noção de que bactérias específicas e seus produtos podem ativar o sistema imunológico inato, que pode desencadear a regressão do tumor.


Evidências crescentes também têm mostrado que a microbiota intestinal modula como o hospedeiro responde às drogas quimioterápicas de uma forma sistêmica, como no câncer de próstata. Além disso, estudos mostram que a ligação entre a microbiota intestinal e o câncer é bidirecional, ou seja, o câncer pode alterar a composição da microbiota, enquanto a microbiota pode afetar a resposta dos cânceres.


Os hábitos alimentares possuem grande importância na modulação da microbiota intestinal. Uma grande ingestão de carboidrato leva a maior fermentação pelas bactérias no intestino grosso. Se a absorção imperfeita no intestino delgado permitir que grandes quantidades de carboidrato e proteína atinjam o intestino grosso, a ação bacteriana pode levar à formação de gases em excesso ou certas substâncias tóxicas que comprometem a microbiota intestinal benéfica. O consumo de grandes quantidades de lactose, especialmente por indivíduos com intolerância, e de açúcares pode causar flatulência e diarréia, prejudicando também a microbiota. A ingestão de fibras, por exemplo, favorece o crescimento de espécies que fermentam fibras em metabólitos como ácidos graxos de cadeia curta, incluindo acetato, propionato e butirato. Os efeitos positivos para a saúde dos AGCC são inúmeros, incluindo a imunidade aprimorada contra patógenos.


O exercício físico possui a capacidade de enriquecimento da diversidade da microbiota, auxiliando na melhora da proporção de bactérias positivas, podendo assim, ter influência na diminuição de peso, além de patologias que estejam relacionadas à obesidade e também distúrbios gastrointestinais e estimula a proliferação de bactérias que fazem a modulação das mucosas e consequentemente melhorando a função de barreira, tendo como resultado a redução da incidência de obesidade e doenças metabólicas; estimula bactérias que são capazes de produzir substâncias responsáveis pela proteção contra distúrbios gastrointestinais e também de cânceres.


Assim, o desequilíbrio da microbiota exerce grande influência no risco de desenvolvimento de câncer e de outras doenças relacionadas à próstata. uma alimentação balanceada e saudável, associada a um hábitos de vida equilibrado, pode ter grande influência na composição da microbiota, e um ambiente microbiano saudável implicará na melhor imunidade e funcionamento físico-metabólico, sendo importante para a manutenção e saúde da próstata.


Referências:


MATSUSHITA, Makoto; FUJITA, Kazutoshi; NONOMURA, Norio. Influence of diet and nutrition on prostate cancer. International journal of molecular sciences, v. 21, n. 4, p. 1447, 2020.


MATSUSHITA, Makoto et al. The gut microbiota associated with high‐Gleason prostate cancer. Cancer Science, v. 112, n. 8, p. 3125, 2021.


MONDA, Vincenzo et al. Exercise modifies the gut microbiota with positive health effects. Oxidative medicine and cellular longevity, v. 2017, 2017.


SHA, Sybil et al. The human gastrointestinal microbiota and prostate cancer development and treatment. Investigative and clinical urology, v. 61, n. Suppl 1, p. S43-S50, 2020.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo