Frutas vermelhas para a sua recuperação muscular!


As frutas vermelhas são caracterizadas pela elevada quantidade de moléculas antioxidantes. Esses compostos químicos são um grupo de metabólitos secundários que impedem a oxidação da fruta devido a fatores ambientais, como luz, ar, oxigênio e ataques microbiológicos. Os antioxidantes fenólicos interferem no processo de oxidação como terminadores de radicais livres e, às vezes, também como quelantes de metais. As frutas vermelhas mais conhecidas são morango, framboesa, mirtilo, amora e cranberry. Em geral, são ricas em açúcares (glicose, frutose), mas baixas em calorias. Eles contêm apenas pequenas quantidades de gordura, mas um alto teor de fibra alimentar (celulose, hemicelulose, pectina); ácidos orgânicos, tais como ácido cítrico, ácido málico, ácido tartárico, oxálico e fumárico; e certos minerais em pequenas quantidades.


A coloração típica das frutas vermelhas é conferida por pigmentos naturais denominados antocianinas e sua função é a proteção das plantas, suas flores e seus frutos contra a luz ultravioleta (UV) e evitam a produção de radicais livres.


O exercício intenso e a contração muscular aumentam a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS) e de espécies reativas de nitrogênio (RNS) e promovem estresse oxidativo no músculo esquelético. Níveis excessivos de ROS são deletérios para as células através do aumento de danos e modificações nas proteínas celulares, lipídios e DNA. Além disso, níveis elevados de ROS têm sido implicados na patogênese de várias doenças crônicas, incluindo doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2.


A capacidade de eliminação de radicais das moléculas antioxidantes fenólicas é baseada na capacidade de se tornarem radicais mais estáveis ​​em comparação com a maioria das espécies de radicais livres, devido à estabilização do elétron livre por deslocamento no anel aromático dos compostos fenólicos. Pode-se fazer uma classificação dos antioxidantes fenólicos, sendo os mais importantes os ácidos fenólicos e as antocianinas, como um subgrupo dos flavonóides.


Os antioxidantes, presentes nas frutas vermelhas, desempenham papéis importantes na regulação dos níveis de ROS por meio de mecanismos de eliminação direta de radicais livres, por meio da regulação de enzimas produtoras de ROS / RNS e / ou por meio de mecanismos adaptativos semelhantes aos eletrofílicos. O exercício de endurance agudo e crônico tende a aumentar a expressão e a atividade das enzimas antioxidantes endógenas no músculo esquelético, por sua vez permitindo uma melhor capacidade de moderar os efeitos adversos das ROS. Para aumentar a capacidade do músculo esquelético de neutralizar as ROS produzidas durante o exercício, os atletas podem consumir regularmente antioxidantes exógenos. Os benefícios dos antioxidantes podem estar relacionados à diminuição das modificações oxidativas no DNA, lipídios e proteínas. Algumas evidências mostram um efeito de melhoria dos antioxidantes na recuperação muscular após exercícios intensos que causam danos aos músculos.


Os EROs também podem implicar na fadiga muscular prematura durante a contração muscular sustentada e exercícios. Portanto, o uso de antioxidantes exógenos pode ajudar a retardar a fadiga muscular e melhorar o desempenho em exercícios de resistência.


Por fim, as frutas podem ser apontadas como boas fontes de antioxidantes naturais que podem ser mais efetivas e econômicas do que o uso de suplementos dietéticos na proteção do organismo contra os danos oxidativos, portanto, o seu consumo deve ser estimulado.


Referências:


MASON, Shaun A. et al. Antioxidant supplements and endurance exercise: Current evidence and mechanistic insights. Redox biology, v. 35, p. 101471, 2020.


HIDALGO, Gádor-Indra; ALMAJANO, María Pilar. Red fruits: extraction of antioxidants, phenolic content, and radical scavenging determination: a review. Antioxidants, v. 6, n. 1, p. 7, 2017.


15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo